Para você 15- Missing you

http://

Anúncios

Para você 14- Fear

fear

I don´t want to forget, because I am sincerely yours. Forever and always.

São Paulo, 08 de janeiro de 2015

20:47

Quando eu era pequena, eu achava que os exercícios das aulas de educação física eram complicados, principalmente aqueles que a classe toda assistia. Especialmente os que a classe toda assistia.

Quando eu cresci um pouco, comecei a achar que a semana de provas era uma coisa complicada. Me dava uma ansiedade, estresse e longas e incontáveis horas de estudos. Tensão pré-prova, a mente a mil e a mão fundindo-se à caneta para começar a escrever.

Quando eu me tornei uma menina grande, achei que o futuro relacionado com a carreira seria a coisa mais complicada que eu iria enfrentar no final da minha adolescência. Aquela grande indecisão se eu devo seguir meu coração e fazer aquilo que eu acho mais certo e que me deixará mais feliz, ou a chamada decisão certa e segura. Traduzindo: a decisão dos seus pais. E, a partir disso, surgem aqueles inúmeros pensamentos, dúvidas, sugestões e planos em mente. A vontade de abraçar o mundo mas ter somente um olhar míope, um nariz empinado demais e duas mãos calejadas como as de um pedreiro.

Até agora, achava que esse último medo seria aquele que me perseguiria pelo resto da minha vida. Afinal, é o meu futuro, é a minha vida que eu seria capaz de escrever a partir de agora. Isso ainda me persegue, magoa, tira sono e paciência, mas acabei descobrindo que esse não é o maior medo e complicação dessa menina grande. Definitivamente não.

A minha assombração é muito maior. O pior disso tudo? O pior é ter a certeza de que esse sim será o peso que seguirá pelo resto da minha vida, porque essa marca, esse peso tem uma forma, uma expressão, altura, corpo e vida.

Esse medo é você.

-R

Para você 13- Depois de você

fact

São Paulo, 30 de dezembro de 2014

01:07

Antes de você, eu queria muito mais.

Antes de você, eu apenas sonhava com noites olhando para o céu com um cara qualquer que eu gostasse.

Antes de você, eu era tão superficial e a vida era tão fácil de se viver, que eu começo a sentir cada vez mais falta dos tempos em que eu era uma simples criatura feia, mas bem consigo mesma, sem histórias de amor reais para contar.

Antes de você, um menino alto, loiro, de olhos azuis e rico era o meu ideal, o rei do meu maravilhoso mundo encantado da Disney, mas depois que você chegou, a porta se abriu, o espelho se quebrou, eu sai da toca do coelho e, finalmente, entendi que o perfeito nem sempre é o adequado, nem sempre é o melhor.

Aprendi que, na verdade, eu não sabia direito o que queria e o que gostava na minha vida.

Você me ensinou a abrir os olhos e enxergar um lugar bem mais além da história, uma situação mais complicada do que uma simples conversa. Você me ensinou não somente a ver, mas a enxergar a beleza fora da aparência.

Mas, ao mesmo tempo em que tudo isso e muito mais ocorreu, o antes de você talvez seja um lugar melhor para mim, porque eu não estava pronta para nada do que o presente daquele passado e esse futuro guardaram para mim. Eu não estava pronta para nada disso. Nem daquilo.

Não estava pronta para você, para a nova eu que surgia e para todo esse longa-metragem sem fim que ocorreu. Eu estava pronta para o final feliz, não para o que acontecia no meio do filme.

Você não faz ideia de como isso é angustiante. Não somente pelo fato de que meu mundo, desde aquela época, continua a desmoronar, mas pelo fato de que você não está nele, pela verdade de que eu mesma me envenenei e tirei todos os meus para você ou qualquer outro alguém me tirar daqui.

A verdade é que você era e continua sendo tudo o que eu esperei antes de você chegar. A verdade é que você acabou se tornando muito mais do que eu fiquei sonhando acordada noites a fio. A verdade é que você sempre foi muito mais do que eu quis admitir para mim mesma e para todos os outros olhares ao redor. A verdade é que eu tive medo e não há nada para reparar tudo o que eu fiz.

A verdade é que o depois de você é um assassino torturador, que repete a mesma cena várias e várias vezes e, faz com que nenhum sinal do fim venha até mim, para me salvar.

Para você 12- Wishlist

dream

São Paulo, 27 de dezembro de 2014

04:25

Queria poder dormir um dia

Sem sofrer insônia ao acordar

Sem ter de pensar em você

Queria poder ver todos os filmes

Com seus astros

Da tela

E da vida real

Sem ver seus olhos

Refletidos no olhar

E a nossa história

Escrita nas entrelinhas

Queria poder te esquecer

Com a frequência em que fui esquecida

Queria transformar o caderno todo rabiscado

E a caneta seca

E uma tela e pincel em branco

Falhos

Mas com chances de se consertar

Queria poder ter uma segunda chance

Ou melhor, uma quinta chance

Ou alguma chance

Sem importância de número

Ou qualquer importância

Apenas uma chance qualquer

De poder te esquecer

Ou reescrever

Uma história

Que não teve começo

Nem fim

Little Diary 34- Growing

large

Eu fico imaginando quando deixei de ser criança para me tornar adolescente.
Fico pensando se foi naquele momento em que eu achei que montar a minha cidade ideal era complicado demais, muito trabalho transformado em cansaço para, no fim, a metrópole ganhar forma mas nunca uma história.
Eu fico imaginando quando deixei de ser quem eu sou para me tornar essa estranha estressada, ser essa pessoa que vejo todos os dias ao acordar, mas que não se parece nada comigo. Muita maquiagem, cuidados e transformação para um dia só.
Fico me perguntando o que aconteceu com aquela menina cheia de vida e risada dentro de si, que recebia todos com um sorriso no rosto, que não tinha nem tanta amargura nem tantas histórias e memórias escritas em seu corpo e alma.
Eu fico imaginando o que aconteceu com essa realidade, com a escola, com as pessoas, os amigos, a família e, quando tudo começou a se tornar tão complicado ao ponto de que uma simples prova muda a sua vida e uma simples palavra acaba com todo um relacionamento.
Fico indagando se fiz algo de errado, se eu sou a errada de toda essa história chamada vida, se sou a tal ovelha negra no meio de um mar de carneirinhos brancos, dos quais todos parecem já estar cientes de si, sabem onde e quando tem de estar em determinado lugar, quem são e o que tem que fazer. Todos parecem fazer parte desse imenso conjunto, enquanto eu, fico apenas no banco passageiro, observando tudo isso acontecer.
Eu fico imaginando quando a vida passou a ser tão solitária, quando ficar sozinho transformou-se em sentir-se sozinho, em tempo integral.É uma questão de hormônios, situação ou apenas destino?
Quando foi que eu parei de viver, experimentar as experiências, ser quem eu sou para apenas ficar durante noites a fio imaginando, indagando, perguntando, me estressando? Somente esperando. No gerúndio, mas sem gerundismo algum.

Questão de escolha

escolha

A verdade é que eu queria mais tempo. Um controle remoto com play, pause e o famoso e tão estimado botão de retrocesso.
Gostaria de consertar umas coisas, reparar outras e destruir o que sobrar. Falar a resposta de algumas provas, dar determinadas orientações, fazer minhas próprias escolhas, falar para mim mesma olhar mais ao meu redor, aproveitar mais, me controlar menos. Viver como deve ser vivido.
Não tive tempo suficiente, não aproveitei nada. Parece que o tempo escorregou pelos meus dedos sem controle algum. Três anos se passaram como se fossem simples 3 minutos e quase nenhum desse amontoado de dias contados no calendário valeram a pena.
Cadê a diversão? Cadê todo aquele conhecimento que deveria estar dentro do meu cérebro nesse momento? Cadê todo aquele sentimento que a gente deveria sentir no colegial? Cadê toda a experiência de ser do colegial?
A verdade é que eu queria mais tempo, Um controle remoto não apenas com play, pause e o famoso e tão estimado botão de retrocesso, mas também com instruções, lembretes, com a permissão de erros e seus determinados consertos.
Queria mais tempo para eu relaxar. Mais tempo para ficar sem fazer nada e não ter que me preocupar com as 12 aulas do dia seguinte ou com quem vai ficar me irritando o dia todo. Queria mais tempo para eu me organizar e encontrar o meu caminho. As escolhas certas a fazer para mim mesma e por mim mesma.
Só queria mais tempo….